Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Amor, Sexo e Erotismo

Amor, Sexo e Erotismo

Em ponto rebuçado

10.03.20 | Inês

.... Gostava de observar, atentamente, cada detalhe do seu corpo, o seu cabelo longo e escuro, os seus olhos brilhantes, os seus lábios desenhados e vermelhos, as covinhas que fazia no rosto quando sorria para mim. Tudo nela, despertava em mim um desejo inexplicável de a fazer minha...

Os seus cabelos longos escondiam os seus seios e um fio com uma borboleta, à volta da cintura, ligeiramente abaixo do umbigo, despertou a atenção dele. Aquela borboleta estrategicamente colocada acima da anca , do lado esquerdo, fazia-o sentir vontade de interagir com ela.

Inês, fitou-o com o seu olhar atrevido e colocou-lhe uma fita preta nos olhos. Pediu-lhe que esperasse um bocadinho por ela. Gostava de o surpreender e de lhe estimular os sentidos. Agradava-lhe a ideia de o manter curioso… Queria saber como seria se não se pudessem ver e se o único toque permitido fossem os lábios, a língua e os dentes de ambos.

Também ela escondeu os seus olhos e, sem ele saber, colocou um cubo de gelo na sua boca. Os dois ficaram frente a frente e com as pernas ligeiramente abertas e dobradas pelos joelhos. Assim se iniciou uma procura incessante pela boca um do outro, conseguiam ouvir a respiração e sentir o cheiro dos seus corpos ligeiramente aquecidos. O cubo de gelo que tinha na boca começara a derreter e ao chegar perto do pescoço dele, deixou que a sua saliva, juntamente com a água que inundava a sua boca, caísse pelo seu pescoço.

Ele inclinou a sua cabeça para trás e, arrepiado, pedia-lhe que continuasse.

Adorava saber o efeito que tinha sobre ele e deixá-lo molhado era algo que mexia com os sentidos dela. Imaginava a água a escorrer-lhe pelo peito em direção à barriga e a sua pele a suar de desejo…Ela tinha de seguir o percurso de cada gota de suor e saliva misturada com a água gelada.

Não se conteve e com os lábios colados nos seus mamilos, beijava-o, mordiscava-o, a pouco e pouco, fazendo-o soltar um pequeno gemido. Encostou a sua orelha no peito dele e sentiu a subida do ritmo cardíaco. Estava fora de si. A sua boca procurava-a e, quando ela se aproxima novamente do pescoço dele, os seus lábios encontram-se e as suas línguas iniciam um jogo prazeroso demais para parar. Não queriam parar. E as regras do jogo foram levadas pelo desejo que os consumia.

Tiraram as máscaras e as mãos dele deslizaram pelos mamilos endurecidos de Inês e pelo seu ventre enquanto se beijavam incessantemente. Agarrou-a pelas nádegas e puxou-a para si, fazendo-a descer pelo seu membro duro e inchado. Abriu ligeiramente a boca e deixou-se cair em cima dele, os seus olhos grandes pareciam agora mais pequeninos e ele, doido por ela, sussurra-lhe ao ouvido: "Estás tão molhada!És minha, Inês. Quero-te! Não pares, por favor."

Inês olhou nos seus olhos e respondeu com um "Shiuuu, não digas nada, sou tua."

excitação que ambos sentiam levou-os a sentir espasmos musculares nos pés, na cara, nas mãos. O clítoris começara a tornar-se extremamente sensível ao toque dos dedos dele, os seios aumentavam de tamanho e ele adorava metê-los na sua boca quente.

A vontade de atingir o clímax era grande mas ambos queriam prolongar o momento, o máximo que podiam, seria só por uma noite? Estavam a viver o momento como se fosse o último e a vibrar na mesma frequência.  Não conseguiam prolongar muito mais...

Inês olhou-o bem profundamente e disse-lhe: "Amor...estou...quase...vens-te comigo?" Ele agarrou-a com mais força, fazendo-a subir e descer por ele até que o momento desejado chegou, para os dois, ao mesmo tempo!

Com os corpos colados, Inês permaneceu no seu colo, abraçada a ele, e ele sem se mexer sorriu e disse-lhe : "Ainda te quero..." 

fll1.jpg